Menu

Missionário: adote uma igreja! Categorias:
Artigos

Jocumeiros ou não. Brasileiros ou não. Meu objetivo não é a de levantar polêmicas. A sedução dos holofotes não me têm atraído, especialmente nesse nosso tempo que considero muito tenso e carente de saúde, em todos os níveis. A reflexão auto-crítica certamente será uma luz de Deus em meio as trevas. Ainda que alguns tentem negá-las, elas estão diante de nós.

Quando pensamos na chamada “Obra Missionária” (afinal, ainda há esperança, alguns pensam nela…), nos remetemos a um universo muito particular. São muitos os meandros, as estruturas, linhas, condutas e estratégias. Quem está diretamente envolvido nela, normalmente se encontram completamente esgotados, cansados, consumidos. São muitos compromissos, responsabilidades e demandas. A seara é grande, mas são poucos os ceifeiros. Nesse “universo” temos dialético, códigos de acesso, práticas comuns, e até regras específicas.

Todo esse processo, contudo, não é de hoje. É histórico. Já existe no Brasil, mesmo com o pouco tempo de “país enviador”que temos, um “conceito”, mesmo que de senso comum, daquilo que se entende como “missionário”. Já temos uma cara. Quer gostemos dela ou não. E quem a fez foi um processo histórico de relacionamentos que nós mesmos construirmos ao longo do tempo. Se ele é bom, glória a Deus. Se ele é mal… precisamos corrigir nosso erro. E sermos humildes o suficiente para isso. Eu considero que, no geral, ainda deixamos muito a desejar.

Os fatores negativos mais comuns e que marcam nossa imagem, no meu ponto de vista, são as seguintes:

  • Missionário tem vida boa e ama viajar;
  • Missionário vive pedindo dinheiro;
  • Missionário não gosta de trabalhar;
  • Missionário não tem amor à família.

E ainda tem outros excessos que beiram a ridicularidade: missionário casa? Missionário pode ir à praia?

Fico me perguntando: será que isso é apenas falta de visão e ignorância por parte da Igreja? Será que não temos uma parcela de responsabilidade nisso? Será que temos a capacidade de olhar essa realidade com uma visão mais ampliada que inclua uma reflexão histórica e auto-crítica?

Nosso procedimento é determinante para a perspectiva de “Missionário” que a Igreja terá. E mais, será determinante para a perspectiva de Missões desta igreja.

Penso que nós missionários, a Igreja Externa, a Igreja fora dos portões, precisamos rever nosso ministério não somente do lado de fora do templo, mas também nosso ministério dentro do templo. Ainda temos aquela responsabilidade de sermos padrão dos fiéis, modelos do rebanho.

Nos preocupamos demais com a abrangência do nosso ministério em nossas organizações e bases. Nos preocupamos em discipular nações, nos preocupamos com várias coisas e esquecemos, muitas vezes, que “nosso” ministério está vinculado ao Corpo de Cristo, em todas as suas manifestações.

Eu acredito que precisamos rever nosso modelo de relacionamento com a Igreja, no sentido específico. A Igreja local. A comunidade. Muitos missionários sequer frequentam Igrejas aos domingos. Mesmo diante de muitas dificuldades financeiras, que existem mesmo, não as nego, devemo rever nosso senso de prioridades.

Muitos de nós sofremos injustiças, é verdade. Muitos de nós fizemos o que deveria ser feito e mesmo o que estava além de nossas forças. Tem lideranças que realmente não conseguem enxergar a Grande Comissão. Ainda temos sim muitos de nós que andam a pé horas para chegar em igrejas do sertão. Que economizam para pregar em vilas. Que tem compromisso com igrejas do seu campo missionário. Mas infelizmente muitos de nós também temos negligenciado isso.

Tenho de concordar com amigos de várias organizações que dizem: o maior impecílio para a obra missionária são os pastores! Isso é muito triste. Mas é uma verdade paralela à nossa realidade. São muitas as histórias de missionários e pastores feridos por brigas e desentendimentos.

Mas acho que podemos sim tomar a iniciativa e nos apresentarmos como servos. Servos que se doem para que, por onde passarem, a chama da paixão pela obra se espalhe nos corações.

Pela graça de Deus temos tido muitos privilégios de aprender. Poderíamos somar bastante e termos um papel central no amadurecimento da Igreja na cristologia e na missiologia, para um novo tempo. O campo misisonário é a melhor escola teológica. Temos vivido isso. E estamos deixando de lado uma grande oportunidade de servir e mesmo fazer missões e discipular nações!

Quero te desafiar a algo meio inusitado:

Missionário: adote uma igreja.

Não preciamos nos render ao emaranhado de desculpas que usamos. A Igreja brasileira não é uma igreja missionária ainda. Estamos nos primeiros passos. Ainda seremos muito incompreendidos, mal sustentados, esquecidos, abandonados no campo. Mas precisamos pagar o preço de enfrentar essas mazelas e dar nossa parcela de contribuição para o fortalecimento da Igreja de Jesus. No procedimento, na fé, na pureza, no amor.

Você pode tomar a iniciativa. Adote uma igreja. Sirva nela. Seja o braço direito do pastor que está sozinho lá no interior. Ajude na Escola Bíblica. Dê cursos. Escreva cartas informativas e permita que outros participem de se ministério, orando por você e quem sabe até contribuindo. O Reino de Deus é feito por relacionamentos. Explique a eles o que é missões… Jesus deu tudo de si sem esperar nada em troca. Siga seu exemplo… dê a sua vida pelos irmãos (I Jo 3:16).

Missionário: adote uma igreja!



  • A Paz! Jovens Missionários a Ásia Precisa de vocês! O Japão Precisa de vocês! Estou no Japão há 18 anos. Há 10 pregando o Evangelho e Pastoreando. A Igreja no Japão trabalha com apoio de descendentes de japoneses que migram em busca de trabalho. Porém eles se convertem, são treinados, mas logo vão embora. Todos em trânsito. Resultado: Falta mão de obra! Por isso desafio os jovens missionários do Brasil e do mundo à virem ao Japão para fazer missão, evangelizar. Não temos condições de pagar passagens aéreas, mas se você tem condições, nós temos transporte, hospedagem e alimentação para te oferecer além de muito trabalho. Se você estiver interessado e quizer saber mais acesse:
    http://www.praisechurch.net
    Abração Daniela! a Paz!

  • elinaldo

    como que eu faço pra faze parte da JOCUM?
    como que eu faço pra entra da universidade da JOCUM?

  • Daniela,

    Muito bom o seu texto. Fiz Eted há quase dois anos no RJ e tenho enfrentado algumas dificuldades com as igrejas. Mas assim como você disse… precisamos rever nosso modelo de relacionamento com ela. Inspirá-la a partir da nossa “convicção e paixão” seria um bom começo! Postarei seu texto em meu blog.

    Paz e bem.

    Aline Moreira.

  • como faço para fazer parte da jocum?como missionaria gostaria muitode praticipar pois d tenho esse desejo desde qye me convertir

  • Neusa Lemos

    Deus tem me dado sinais p eu ir ao Japão. Quero pedir ajuda a vcs para ficar num lugar lá com cristãos jocumeiros, Igreja, locomoção etc…, quanto a passagem eu mesma pagarei ida e volta serão apenas 10 dias. PF este Pr. acima Seiji Kikuti que já trabalha lá p o SENHOR ou outra pessoa que possa me ajudar a ir, agradecerei de coração. Aguardo na dispensação de JESUS! Shalom Adonai

  • Irmã Neusa Lemos, Já recebemos seu e-mail! Ficaremos muito felizes com sua visita em nossa igreja! O Japão te espera!
    Agradeço à este site por ter promovido esta conexão com a Miss. Neusa!
    Deus abençoe vcs!! Paz Daniela!!