Onde estamos procurando o missionário ideal?

Onde estamos procurando o missionário ideal?
9 de outubro de 2006 Braulia Ribeiro

Cadê o missionário ideal?

Estamos sempre orando por obreiros, a seara é grande, faltam líderes, faltam mãos para o trabalho, faltam cérebros, faltam joelhos para orar. Ontem à noite recebi um telefone de um casal daqui da base, falando desde uma cidade remota na fronteira de Acre e Peru:

“-Ah Bráulia, ore por nós, não sabemos o que fazer, presenciamos muita bandalheira, os políticos da região para se eleger levam caixas de cachaça e álcool puro para as aldeias, embebedam os índios, brigam, espancam os homens e as mulheres. Um deles fez pior, se ajuntou com duas irmãs, engravidou as duas, bate continuamente nelas, ontem derrubou uma das grávidas de um barranco cinco vezes. Todas as vezes que ela se levantava e subia ele a derrubava novamente. Nós vimos e nem assim ele parou. É estúpido e domina o pai das moças com álcool e os irmãos com violência. Temos que denunciá-lo mas ele está ameaçando nossas vidas. Nos seguiu quando viemos até a vila, mas hoje à noite temos um encontro com a Polícia Federal para falar sobre o que acontece na aldeia. “

A voz da mulher me contando o que passava tinha um tom resoluto. Ela sabia o queria fazer e não estava com medo apesar das ameaças. Ao mesmo tempo que falava se supria de uma consciência mais intensa de que não podia deixar as coisas como estavam. A denúncia faz diferença entre a mudança daquele mundo onde dominam as armas, o pecado e a falta de lei, para o reino de Deus que eles levavam que significava justiça, respeito e vida nova para os índios e às comunidades brasileiras ao redor.

Este casal tem menos de 30 anos, estão aqui há uns cinco anos e na tribo há uns três. Eles tem um filhinho de três anos e lutam com muita dificuldade financeira. Pensei que ainda que tivéssemos altos salários missionários para pagar, (mas não temos, a JOCUM é uma missão de voluntários) nada pagaria a insegurança e o medo que eles estavam vivendo agora e com o qual teriam que conviver sempre depois da denúncia.

Lembrei-me de como esta moça chegou na ETED. Não era crente direito, nunca tinha vivido uma vida limpa na vida, nem na infância. Vestia-se no dia a dia como quem sai para fazer um programa na noite, e se movia com um gingado de dançarina de cabaré. Várias vezes ouvi os líderes da ETED confabularem sobre ela desesperados pensando se haveria cura para alguém assim…

Hoje ela e o marido são missionários que qualquer missão, ou melhor que qualquer organização governamental gostaria de ter reforçando suas trincheiras. Abnegados dedicados, amorosos, íntegros, e mais do que isto, a mulher tem garra de guerrilheira.

Houve uma época na nossa base, que já passou, graças a Deus, que nos cansamos de jovens. Nos cansamos da ETED e dos “problemas” que chegavam a cada nova leva de estudantes. Começamos a pensar em fazer um escrutínio apurado de todos os formulários, na tentativa de evitar que viessem jovens problemáticos que tem o potencial de consumir toda nossa energia e depois produzir muito pouco ou quase nada para missões… Queríamos maturidade e não juventude. Me pergunte se deu certo, ou se continuamos assim por muito tempo, que vou te responder que pela misericórdia de Deus não deu certo, e nem continuamos pensando assim. Redescobrimos nosso DNA. E nosso DNA tem a ver com transferência de destino a quem não tem. Como podemos querer maturidade se somos chamados para abrir espaço para os que não-são, para que eles possam pela graça de Deus tomar posse de destinos fantásticos que Deus tem para eles e que de outro modo teriam ficado enterrados…

Me apaixonei de novo pela ETED. O Reinaldo começou dirigindo a primeira desta nossa nova fase e eu sigo desde então, já estou na terceira. A palavra que o Reinaldo recebeu logo quando abraçamos uma idéia de uma proposta radicalmente nova para a ETED, foi: “aquele que vier a mim não lançarei fora…” E assim foi, aceitamos todos. Qualquer um. Gente de rua, gente dos becos, jovens das igrejas e de fora delas. Continuamos assim desde então. Agora que eu lidero na verdade não faço nada, só acompanho a equipe que carrega a ETED, eles também gente nova, sem experiência nenhuma a não ser a sua própria vivência e transformação. Meu co-líder desta vez é o Raul. Ele tem 23 anos e está na JOCUM há dois anos. Tivemos um ano cansativo com muitos eventos e viagens, e já tínhamos dois cursos acontencendo neste segundo semestre, eu estava jogando a toalha e pedindo pro mundo acabar em barranco, quando o Raul chegou pra nós:

_ Olha Reinaldo e Braulia Deus está me chamando para a próxima ETED…

_ Mas Raul, não temos obreiros, todos estão envolvidos em cursos, ou em ministérios fora, (temos equipes na Guayna Inglesa, Barbados, Peru, Equador, e em várias tribos) será que vai ter alguém pra te ajudar?

_ Ah, Deus vai mandar… Tem o Pimenta… (Pimenta é um recém-graduado da última ETED, anda sempre de bermudas e meião, um de uma cor outro de outra, de toca colorida na cabeça e seu maior prazer é escrever cartas evangelizando a galera….)

_Ah, o Pimenta… Tá bom então vamos ver Raul.

Na próxima reunião o Raul veio de cabelo azul.

_ Pintou de azul agora Raul? Ficou bonito…

_ É, quero que a galera se sinta à vontade quando chegar…

Oramos juntos, não podíamos divulgar mas Deus foi mandando alunos e obreiros. Alguns vieram de perto outros de longe. Nos reunimos para ver se aceitávamos os alunos que escreviam. Alguns nem escreveram só vieram… Raul disse: _Traveco acho que não encaro não, muito difícil… Falou isto, porque eu contei um sonho estranho que tive, em que eu me via como um travesti numa favela e sofria uma dor muito profunda porque ninguém me amava… Ai que bom, ainda não estamos prontos pra travestis, respirei aliviada. No outro dia esbarrei com uma obreira e um garotinho em frente da minha casa.

_ Oi Alessandra, que legal seu filho veio te visitar?

_Né meu filho não, é a nova aluna da ETED.

Fiquei sem graça. Era uma moça. Ela tinha 22 anos e desde os cinco anos se vestia e se comportava como homem. Veio do garimpo para cá e não conhecia Jesus nem a JOCUM. Mas seu pai conhecia e sabia que ela precisava de ajuda.

Me reuni com o Pimenta e o Raul. Oramos para buscar a Deus. Tudo o que eu via eram os dois olhos adolescentes da garota. Raul e Pimenta também se comoviam com a compaixão de Deus…

_ Eu também não prestava Bráulia, disse o Raul. Quando eu cheguei aqui na base eu só pensava em me matar. Deus me acolheu e me deu um destino.

_ Eu também não sabia quem eu era disse o Pimenta, hoje eu escrevo cartas… Ontem escrevi dez, minha mão ficou doendo…

Olho pro grupo de obreiros e fico animada. Não vejo ninguém especial, nenhum super-estrela, todos jovens. Além do Pimenta e do Raul tem a Ana Rita, baiana que acabou de chegar de alguns meses na Guyana, carinhosa e responsável, tem a Kelly, a Isabel se recuperando de sérios problemas mentais, a Selça e Alessandra ambas novas convertidas, saídas do sub-mundo das ruas. Ninguém que por nossos padrões religiosos seria capaz de arcar com a liderança de uma escola de missões, porque afinal em missões temos que ter a nata espiritual de nossas igrejas… È verdade, a nata, mas nossos alunos também não representam esta nata. São gente comum, gente como nós, especiais sem ser, trazidos aqui pelo Senhor, seja do Garimpo ou da Assembléia, Deus guiou cada um deles a nossa máquina de redimir destinos chamada ETED…

(continua semana que vem…)

Pioneira no Norte do Brasil trabalhando entres tribos indígenas, é Mestre em Etno-linguística em Linguística Antropológica pela Universidade Federal de Rondônia. Missionária de Jovens Com Uma Missão desde 1980.

2 Comentários

  1. Enéas Silva Quinto 8 anos atrás

    Caros irmãos,

    Sou da Igreja Evangélica Comunidade de Cristo em São Paulo e pertenço ao grupo de Missões.
    Nosso objetivo é implantar a visão missionária na igreja e adotar uma instituição para envio de recursos financeiros.

    Favor enviar informações da instituição e contato e a forma como podemos contribuir.

    Em Cristo,

    Enéas.

  2. marcelo 6 anos atrás

    graça e paz sejam com voces,acho que deviam não mudar o foco da oração,mas acresentar um pedido importante que é pra nosso pai abrir os olhos de nossos pastores para eles não nos prender mas na igreja são muitos que conheço nesta situação ore por nos. paz

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*