Pega essa Surfistinha!

Pega essa Surfistinha!
30 de junho de 2010 Tres16 Fotografia

Nem nos piores contos da Bruna Surfistinha seria possível relatar a história de três camaradas, munidos de equipamentos de vídeo e de foto, subindo as escadas de um lugar nojento, em busca de uma meretriz que já passa das seis décadas de vida. E para completar, ao fim de tudo, fazem uma vaquinha de dez reais pra pagar o “pseudo programa”.

Em pleno domingo, em meio a um evento para valorizar as “mulheres da vida” ( é verdade! Ainda existem pessoas que se preocupam com outras) somos apresentados a uma senhora, bem soltinha, assunteira e de idade. Logo surgiu a ideia de pegar o depoimento da vida dela. Mas naquela “muvuca”, o resultado não foi o esperado. Então, intrepidamente fomos encarar a realidade da casa de meretrizes.

No imaginário dos mais jovens, pode ser remetida a ideia de um lugar bonito, com garotas lindas dançando sem parar, tal como um cabaré francês, pessoas ricas e bem vestidas entrando com um monte de dinheiro. Não é! Pelo contrário, é nojento, uma luz rosa bem vagabunda, mulheres dançando ao som do batidão, tentando, e só tentando te instigar. Nada de cintas-ligas, corpetes e espartilhos. E gente com grana é o que não se vê, com dois reais você consegue pagar um programa.

Mas voltando ao conto proibido, subimos as escadas tentando ao máximo não pegar no corrimão, nem encostar nas escadas, todos sabiam quem era e onde estava a nossa “colega”. Chegamos à porta do quarto e gritamos, ela só colocou a cabeça no vão da porta e mandou esperar. Logo saiu um homem lá de dentro, todos olhavam os três garanhões (nós), esperando, e talvez alguns pensassem: “Meus Deus, que orgia vai acontecer!”.

Quando a porta se abriu, entramos logo e trancamos, olhamos ao redor, um quarto feio, minúsculo, com uma cama ao lado de um bidê e uma pia, com uma caneca cheia de escovas de dente e outra com um monte de camisinhas daquelas distribuídas pelo governo na época do carnaval. Mas nada foi mais impressionante do que ouvir seus conflitos e o sentimento: “Isto não é vida” e “eu não tenho saída”.

A região que agrega umas seis quadras do centro da cidade, tem mais de duas mil mulheres dia e noite se vendendo, não pode ser judicialmente fechada por que a sociedade contemporânea aceita, e a lei não pode confrontar a opinião pública.

É assim a vida, uns querem sair, outros querem entrar. A prostituição deixa umas ricas e famosas, mas também devasta muitas mulheres. O que torcíamos pra ser somente um conto é a mais dura realidade, Nua (literalmente e figuradamente) e crua.
Pega essa Surfistinha!

Publicado originalmente em: Tres16 Fotografia

Um grupo de profissionais que investe tempo em contar histórias, mostrar aquilo que a mí­dia esconde. O que vem em seguida fica por conta de quem lê.

2 Comentários

  1. jaqueline 7 anos atrás

    Boa noite,um dia tive um pesadelo,que tinham me sequestrado,e me forçavam a fazer programa.No sonho dizião que tinha que ser qualquer um e de qualquer jeito.Me desesperei,pois me vi obrigada a me deixar ser “invadida”,por qualquer um!dobrei meu joelho e comecei a interceder por áquelas que passam por isso diáriamente,que possam ser alcansadas!oro ao nosso Deus.Aba pai tenha misericórdia delas,e as dê escape!

  2. emerson 7 anos atrás

    Parabéns pelo documentário, a atitude de confrontar a realidade onde para alguns é somente visto como um imaginário de puro prazer é importante pq mostra q o evangélio deve está entranhado e ser divulgado verdadeira nos ambientes mais hostis.

    Obs: como faço para fazer parte da Jocun?

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*