Vida e Morte: refletindo sobre nossas perdas e ganhos

Vida e Morte: refletindo sobre nossas perdas e ganhos
9 de fevereiro de 2008 Denise Oliveira

Quando nos deparamos com estas questões sempre caímos em contradições.
Pensando na morte do Moisés podemos pensar que é difícil de entender e aceitar o que aconteceu e assim estaríamos sendo incoerentes com o que cremos; que estar com o Pai é melhor e que aqui não é o nosso lugar eterno.
Porém, pensamos em nós mesmos e o que representou a vida dele pra nós e para tantas vidas de crianças, adolescentes e jovens que permitiram-se ouvir a Deus por que ele investiu sua vida em crer que essas pessoas podiam ouvi-lO, podiam obedecê-lO e podiam revolucionar sua geração.

Nos vem então o pensamento que Deus, por sua soberania, sabe o tempo devido a cada um. Era notório pra todos nós que Moisés remia seu tempo em obediência corajosa. Cumprira seu propósito e que a saudade do Pai bateu…
Logo nos vem na mente que ainda poderíamos aproveitar de sua sensibilidade e desfrutar de sua sabedoria e amor. Sorrindo com ele e sonhando sonhos que não ficavam na imaginação mas tomavam a forma de obediência e poder de multiplicação.

Como conseguir entender que seu espaço está aqui nos avisando que seu legado ficou e tomou forma grande e profunda de inspiração, de exemplo, de ação e de amor comprometido.
A soberania de Deus, a certeza de quem somos e o que representa o mundo para nós, e ainda o entendimento da verdadeira razão de viver estão agora, num emaranhado de sentimentos de saudades e memórias. De lições e de exemplo. De sentimentos e o impacto em nossas vidas.
Não queremos explicar nada agora, eu acho que agradecer a Deus por sua vida e investimento seria nossa atitude e nos encorajar viver o mesmo, viver assim como ele viveu aqui no tempo que foi reservado para ele mostrar tudo o que representava O Senhor para ele.

Você conseguiu Moisés. Entendemos direitinho o que temos que viver, entendemos direitinho como temos que viver.
Obrigado Senhor! Nos ajuda a continuar o que ele começou.

Paranaense, quase mineira, e meio carioca, é casada com Wellington e serve em missões desde 1987.

1 Comentário

  1. thiago augusto cazarotto 7 anos atrás

    oi

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*